domingo, 17 de outubro de 2010

Um dia na corte de Luís XIV

Estava tudo pronto, a toilette e a toalha de rosto estavam escolhidas e eu teria o privilégio de ajudar o rei a vestir-se, assim desloquei-me cedo para o seu quarto.
Por volta das 10:00 horas, finalmente, o rei acordou e eu tive a experiência inesquecível de estar lá a vê-lo acordar e ajudá-lo a vestir-se… Depois de uma hora a arranjar a sua peruca, este estava pronto para um belo dia de descanso.
Já na sala, o rei tinha à sua espera um grande pequeno-almoço, com vários mordomos à sua volta e até músicos. Quando já se tinha alimentado pediu para que lhe pusessem música e assim quebrou aquele silêncio entre ele e os seus criados.
Ia ser um dia calmo sem grandes planos pelo que o rei aproveitou para usar os seus dotes artísticos e retirou-se para um dos jardins do palácio, deixando-se levar pela imaginação, desenhando Apolo. Todos aqueles sons da natureza e o imenso espaço verde, inspiraram o rei. Só o barulho de uma carruagem despertou a atenção de Luís XIV e os seus olhos encantaram-se ao ver uma esplêndida princesa e a partir daí desenrolou-se um pequeno diálogo entre eles. Com tal admiração e encanto por parte do monarca este convidou-a para a acompanhar no seu almoço.
A mesa encontrava-se com mais comida e requinte, toda a sala estava recheada de objectos luxuosos e quadros moldados a ouro dos seus antepassados.
Entretanto estava na hora da cesta como tal a princesa retirou-se deixando o monarca descansar, não sem antes, retirar com a minha ajuda, todas aquelas vestes e a peruca.
Quando se encontrava na solidão do seu quarto, lembrou-se então da princesa e escreveu uma das suas cartas, admitindo o amor que a princesa tinha despertado nele.
Portanto, posso orgulhar-me de ter presenciado um dia tão calmo mas tão marcante, pois o Rei viria a casar-se com a maravilhosa princesa.

Catarina Azevedo
Inês Costa
Roberto Rivelino

Sem comentários:

Enviar um comentário